quinta-feira, 16 de julho de 2015

#2016éLogoAli - Faltando pouco mais de ano para as eleições, Vicência tem seis pré-candidatos a prefeito


Sempre é assim, uma enxurrada de pré-candidatos à prefeitura, depois o tal do ‘funil vai afunilando’ e sempre sobram dois ou no máximo e raramente três candidatos. Com o rompimento do vice-prefeito Dija, com o prefeito Dr. Paulo Tadeu, oficializado na semana passada, os bastidores da política vicenciana estão pegando fogo. Articulações estão sendo feitas para todos os lados.

Vamos ao atual quadro:

SITUAÇÃO - Na última segunda-feira (13), a Frente Popular de Vicência, liderada pelo Prefeito Dr. Paulo Tadeu (PSB), anunciou em uma reunião os seus três pré-candidatos: Bidoga (PMDB), Tita Jerônimo (PSB) e Carlos Wilson (PSB). Dos três, um será o (a) escolhido (a) para ter o apoio da atual gestão.

Tita Jerônimo parece ser a mais fortalecida no grupo, muitos já estão dando como certa a sua candidatura; porém, Carlos Wilson conta com importantes apoios dentro do grupo, já Bidoga também está na disputa e pode surpreender já que tem uma afinidade muito grande com o vice-governador Raul Henry (PMDB). Uma coisa é certa, na Frente Popular, dos três, apenas um sai candidato.

OPOSIÇÃO - Do outro lado, além do ex-prefeito Mário Ramos (PSD) que sempre é lembrado nas sondagens, apareceu mais dois nomes: o jovem Guiga, que assumiu a presidência municipal do PSD, e o agora rompido com a atual gestão, o vice-prefeito Dija (indo provavelmente para o PSDB).

A conjuntura da oposição é mais complicada. Ainda não há um consenso entre os três, conversas de bastidores até estão ocorrendo, mas nada de concreto foi fechado ainda. Mário Ramos neste período sempre afirma que não é candidato, mas sabemos que próximo ao pleito geralmente as coisas mudam. Guiga já se pronunciou nas redes sociais afirmando que ‘está descartada a hipótese’ de ser vice de algum dos grupos já existentes. E o vice-prefeito Dija rompeu com a atual gestão, justamente para ser candidato a prefeito. E agora? Quem vai abrir? Uma coisa é certa, dos três, eu apostaria em apenas uma candidatura.

Está muito cedo para fazer previsões, até porque o quadro político muda muito rápido, e em Vicência isso ocorre em um piscar de olhos.

O nosso próximo #2016éLogoAli será uma analise sobre Buenos Aires. Aguardem... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário