terça-feira, 15 de julho de 2014

Maestro Nunes: O frevo de Vicência que o mundo conhece

GENTE QUE FEZ E FAZ A NOSSA HISTÓRIA

Quem nunca foi atrás de uma orquestra de frevo ao som de “Cabelo de Fogo”, “É de Rasgar a Camisa” e “Bala Doida”? O que esses arranjos têm em comum? São de autoria do vicenciano, José Nunes de Souza, mais conhecido por Maestro Nunes. Ele nasceu em Angélicas, distrito de Vicência, no dia 22 de junho de 1931.

Com 9 anos, Maestro Nunes já tocava em bandas da cidade. Em 1950, aos 19, foi para o Recife, onde integrou diversas bandas e estudou no Conservatório Pernambuco de Música. Muito estudioso o regente aprimorou seus estudos em Teoria Musical, estudando Canto Gregoriano, Harmonia, Canto-Coral e Regência. Tocando clarinete, obteve o 1º lugar no Concurso da Banda Municipal do Recife, onde se tornou membro fundador. Nunes ainda formou-se em música na Universidade Federal de Pernambuco e regência na Faculdade de Filosofia do Recife.

Ele era comunista, e fez diversos arranjos para músicas usadas pelo extinto Movimento de Cultura Popular. Por causa das perseguições da época ditatorial, que Maestro Nunes deixou o erudito e se dedicou a música popular, ao nosso frevo. Nos anos áureos do Carnaval recifense, era um compositor menos valorizado pelos “intelectuais” do gênero, devido a sua música ser de fácil interpretação e elaboração. Mas, por isso mesmo, suas músicas estavam sempre na memória do povo.


Nos anos 70, fundou a Escola Musical do Frevo voltada para crianças de comunidades carentes do Recife. Foi professor de outros nomes consagrados nomes do frevo pernambucano, como os maestros Spok e Forró. Entre os anos de 1978 e 1979, gravou o seu primeiro disco. Em 1984, criou a banda de Frevo do Nordeste.

Em 2007, centenário do frevo, o maestro vicenciano foi o grande homenageado do Carnaval no Recife. Já em 2009, aos 77 anos, foi à vez de Vicência fazer a mesma homenagem ao maestro do povo.

Hoje, aos 83 anos, Maestro Nunes é Patrimônio Vivo de Pernambuco e sua contabilidade chega perto dos 3 mil frevos compostos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário