ANUNCIE LIGUE AGORA 81 9 9685-2843

ANUNCIE LIGUE AGORA 81 9 9685-2843

sábado, 14 de junho de 2014

Lula trata Armando como governador


“Se depender do meu voto, você será governador de Pernambuco”. Foram com essas palavras que o ex-presidente Lula (PT) dedicou grande parte do seu discurso durante plenária da coligação Juntos por Pernambuco que está sendo realizada na noite desta sexta-feira (13), na Blue Angel, no Derby. “Armando tem história e nunca deixou de ser um brasileiro comprometido com o Brasil. Mas eu não voto aqui, mas se depender do meu pedido, você também será governador deste estado”, complementou Lula.

Como já é de praxe, Lula comparou os governos do PT com as antigas gestões, especificamente as do PSDB. “Vim aqui para ter uma conversa franca. Uma conversa pura sobre o que esperamos dessa eleição. Parece que algumas pessoas estão incomodadas com as mudanças que ocorrem no País. Algumas pessoas nasceram com o complexo vira-lata e nunca acreditaram que esse País poderia ser melhor. A ascensão de camadas mais pobres da população incomoda alguns. Em 100 anos as elites levaram três milhões de brasileiros às universidades. Nós, em 11 anos, conseguimos bater a mesma marca”, discursou.

Ciente das dificuldades que os aliados encontrarão durante o período eleitoral, Lula pediu que a militância esteja engajada e afinada. “Temos que devolver cada meia palavra com uma palavra inteira”, alertou o petista.

VAIAS
Lula também foi outro que se solidarizou com a presidente da República após as vaias que a mesma sofreu na estreia do Brasil na Copa do Mundo, em São Paulo. “Dilma, você viu que no estádio não tinha ninguém com cara de pobre, a não ser você [risos]. Não tinha ninguém de cor, nenhum moreninho. Descobri ontem que respeito e educação não se aprende na escola, mas em casa. Duvido que algum trabalhador faria aquilo.

O ex-presidente ainda centrou fogo na Imprensa. “Uma cretinice alimentada por parte da Imprensa. Essas mesmas pessoas que diziam que a Copa não ia funcionar devem ser doido. O que vimos ontem foi totalmente diferente”, disse, fazendo referência as vaias que sofreu na abertura dos jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007. “O setor de inteligência do meu governo, na época, descobriu que as vaias que recebi na abertura foram orquestrada por César Maia.

OPOSIÇÃO
O petista também criticou a postura dos pré-candidatos à Presidência da República – Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB). “Eles dizem que precisam fazer coisa nova, mas não dizem o que é. Essa campanha corre o risco de ser uma campanha violenta em que a elite brasileira está conseguindo despertar o ódio de classes. Se ofenderem a Dilma vão está oferecendo a cada um de nós. Não é um projeto dela, é o nosso projeto. Essa briga é nossa e não só dela”, disse.

Sobre Eduardo Campos, Lula avisou que deu a ele o mesmo tratamento que deu ao ex-governador Jarbas Vasconcelos. “Não fiz o que FHC fez com o avô dele [Miguel Arraes]. Tinha o compromisso de deixar o Nordeste de cabeça erguida. Eles não sabem o que nós faremos democraticamente para te eleger”, concluiu.

Com informações de Gilberto Prazeres, editor do Blog da Folha. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário